quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Tornar o tema dos resíduos urbanos um tema atrativo para os cidadãos – UrbanWINS

The meeting in Bucharest of the UrbanWINS project demonstrated how difficult is to make awareness about the challenges of the waste production. Citizens and stakeholders, in more mature democracies, didn’t participate as often was it was desirable to the Urbanwins project. There is a real challenge to make the connection with the technical issues of the model that simulates the sustainable urban metabolism used in the project and the civic engagement of common citizens. Pilot cities and all partners will have to solve this challenge, especially in more mature democracies because de waste problem may be assumed by the comunity as a non-preoccupation in those cities. Because citizens don’t suffer the problems of waste production they may be little concern about the issue, and in Portugal because de waste tax is payed indirectly in the water bill the citizens may not be warned about de production of waste in their cities.


O projeto UrbanWIns, tal como aqui já se referiu, pretende criar um modelo matemático que simule os metabolismos urbanos de modo a poder ser uma ferramenta de apoio à decisão, onde se prevê o desenvolvimento de uma metodologia participativa dos stakeholders, ou seja, da comunidade local de cada cidade e dos técnicos, entidades, organizações e todos os interessados e agentes relacionados com a questão dos resíduos, incluindo os próprios cidadãos.

O projeto está a decorrer atualmente em várias cidades piloto, sendo Leiria a representante nacional. Entre 12 e 14 de setembro decorreu uma reunião de trabalho em Bucareste, na Roménia, desenvolvida num espírito colaborativo, entre os vários parceiros do projeto. Para além dos desafios que o modelo matemático enfrenta na tentativa de simular os vários metabolismos urbanos, ficaram evidentes também as problemáticas da participação cívica da comunidade neste tipo de projetos.


Se em alguns assuntos os temas públicos geram naturalmente interesse cívico, os resíduos urbanos não parecem ser um desses casos. Podem ser várias as explicações. Talvez por a recolha funcionar relativamente bem e por terem desaparecido as lixeiras em Portugal já há muito tempo. Apesar de tudo, parece que o problema não existe e que tudo funciona na perfeição. No entanto o problema é real e estamos longe de ter encontrado uma solução para resolver todos os resíduos que produzimos. Exige-se encontrar novas soluções, pois o nosso modo de vida assume vertentes de considerável insustentabilidade. Se analisamos a pegada ecológica média portuguesa a urgência do tema não pode ser ignorada, pois consumimos atualmente 2,3 terras – ou seja se todas as pessoas do planeta tivessem o nosso nível de consumo precisamos de 2,3 planetas terra para que os recursos que consumimos em Portugal se pudessem renovar naturalmente. De facto estamos a lidar com os resíduos, mas estaremos a fazer tudo o que podemos para minimizar todos os impactes diretos e indiretos a eles associados? Será que por pagarmos a taxa de resíduos indexada à fatura da água isso contribui para não considerar o sistema de tratamento de resíduos como um custo para o cidadão e consumidor? Então e as medidas de prevenção? Falamos muito em resolver o problema dos resíduos e menos na prevenção da sua produção. Como em muitos outros exemplos: prevenir é o melhor remédio.


Outra curiosidade que se verificou do intercâmbio entre as várias cidades piloto foi a experiência de participação nos processos cívicos participativos. Concluiu-se que nos países com democracias já estabilizadas a participação dos cidadãos e dos stakeholders foi mais fraca que em países como a Roménia, com democracias mais recentes. Uma representante romena frisou que a primeira sessão de participação pública foi muito difícil de gerir por excesso de participantes, pois todos queriam poder participar e dar opinião uma vez que nunca ninguém tinha sido envolvido em processos desta natureza em Bucareste. Ficou também notória a necessidade de ajustar o processo à escala das várias cidades, uma vez que Bucareste é a única capital entre as cidades piloto.

Em breve serão realizadas mais ágoras presenciais que pretendem aprofundar o processo deliberativo e participativo do UrbanWINS. O projeto também poderá ser acompanhado nas Ágoras virtuais em: https://www.urbanwins.eu/online-agora/

Referências:
“Portugal Aumentou a sua pegada ecológica”,  Público. Disponível em: https://www.publico.pt/2017/06/04/ecosfera/noticia/portugal-aumentou-a-sua-pegada-ecologica-1774537

#UrbanWINS

Artigos relacionados

Related Posts with Thumbnails


A Busca pela sabedoria - criado em Agosto de 2009 por Micael Sousa